enfrdeites
Terça, 26 Setembro 2023 22:51

“Na Tríplice Fronteira há menos homicídios do que em vários centros urbanos”, afirma pesquisadora argentina

Escrito por

Com mais de 20 anos de carreira no estudo da chamada Tríplice Fronteira entre Argentina, Paraguai e Brasil, a antropóloga e pesquisadora do Conicet Brígida Renoldi garante que longe do imaginário que associa a região a altos índices de criminalidade, "os índices de homicídios são estatisticamente irrelevantes se os compararmos com outros centros urbanos desses países”.

Qual é a relação entre os hábitos culturais e a ilegalidade? Quais são os conceitos que prevalecem na Tríplice Fronteira e como influenciam na construção coletiva? A investigação científica no campo das ciências sociais pode ser aplicada ou transferida em políticas sociais ou de segurança? E se a resposta for sim... como?


Renoldi é pesquisadora independente do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet), atualmente é diretora do Instituto de Estudos Sociais e Humanos (IESyH), criado em 2014 em Posadas por convênio com a Universidade Nacional de Misiones (UNaM) , e também ela é professora na referida universidade e vinculada a rede internacional de pesquisadores que trabalha com o INCT/INEAC.

Suas pesquisas centram-se em instituições judiciais e forças de segurança que, na sua atuação, visam prevenir o crime e reparar as suas consequências. O levantamento realizado teve como foco a fronteira da Argentina com o Paraguai e o Brasil.

Acesse a matéria completa (espanhol) em:  https://www.telam.com.ar/notas/202309/640605-triple-frontera-brigida-renoldi-criminalidad.html

 

A antropóloga e pesquisadora Brígida Renoldi
Ler 364 vezes

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.